terça-feira, novembro 21, 2006

Uma aula de Matemática

Desde o início da operação levada a cabo pelos EUA para depor o regime de Saddam Hussein, já morreram no Iraque 2863 soldados. Mesmo atendendo ao facto de se tratar de um cenário de guerra, terem morrido 2863 soldados desde Março de 2004 é um facto que preocupa qualquer dirigente político (incluindo - pasmem-se - o próprio Bush). Em média, morrem por mês no Iraque, um país em que diariamente os soldados americanos são os alvos predilectos de ataques suicidas, 86 pessoas. Em Portugal, um país pacato, muito diferente - dizemos nós - do Iraque, já morreram 708 pessoas desde o início do ano nas estradas portuguesas, o que dá uma triste média de 67 pessoas por mês, apenas menos 19 do que no Iraque (isto porque ainda não chegou o Natal...). Em 2005, perderam a vida nas estradas nacionais 955 pessoas, o que dá a deprimente média de 79 pessoas por mês; se atendermos ao facto de, nesse mesmo ano, 3246 pessoas terem ficado gravemente feridas na sequência de acidentes (entre estas encontramos pessoas que ficaram autênticos vegetais, outras "apenas" estropiadas...), é legítimo concluir que, neste momento, um iraquiano tem mais "esperança de vida" do que um português.


Onde é que está a verdadeira guerra, onde é?

1 comentário:

Paloma disse...

Faço uma ideia... quando em pleno Sábado à noite, perto da meia-noite, um encharcado resolve "businar-me" na rua e abandonar o veículo ligado, em contra-mão, de luzes apagadas (presumo que tenha percorrido assim todo o trajecto) e com a música em altos berros só porque a mulher o teria traído (foi o que pude perceber pelos gestos que fazia com as mãos... E o que é facto é que o pobre voltou para o carro e seguiu a sua viagem.