segunda-feira, maio 21, 2007

Duas perguntas inocentes.

1. Por que razão sentimos nós uma leve fobia quando passamos junto de uma carrinha de transporte de prisioneiros se o próximo criminoso anda necessariamente entre nós?
2. Por que razão temos medo do outro, o que quer que seja esse outro, se o maior perigo a que nos expomos é esse mesmo medo que nos habita?